borboletas

c

arte e terapia

MULHER!


Dia da Mulher - Recados Para Orkut

Confira mais figuras para Dia da Mulher:
[red]***[/red]http://www.ocomentarios.com/orkut/609/1/dia-mulher.html[red]***[/red]

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

Pais e filhos na educação...

Um pai, uma palavra ...

Cesar Augusto Dionisio

Por vezes, fico imaginando uma resposta para a função dos pais na educação de um ser. Não do pai e da mãe. Dos pais mesmo. Pais, plural de pai. Não pais como coletivo de pai e mãe. Estudos, sobretudo freudianos, sugerem que o pai está para a determinação da intelectualidade do filho, assim como a mussarela está para a pizza, ou o molho de tomate para a macarronada. O que tem de novo (ou aparentemente novo) é a constatação de que o nível intelectual do pai revelará o nível intelectual do filho. Note-se: estou falando, aqui, de intelectualidade, e não de inteligência. Assim, ao olharmos um aluno, precisamos nos perguntar quem são seus pais. Pai e mãe, mas, no caso desta reflexão, exclusivamente os pais. Não é machismo, não. É metodologia científica. Sabemos que tudo afeta tudo. Pai afeta a mãe que afeta o filho. Filho afeta o pai que afeta a mãe. Mãe afeta o filho que afeta o pai. Tudo indo e vindo. Para o bem e para o mal. Mas, nós, pesquisadores e pensadores da educação, precisamos isolar para juntar. Seguimos em frente e uma pré-conclusão precisa ser exposta: um aluno sentado na cadeira da sala de aula já é um resultado; ele vai para a aula e leva o livro de Matemática, estojo, a apostila de História e o pai. Não imaginemos que todos são iguais e aprenderão igualmente. Isso, parece, já sabemos. Mas às vezes, por mais óbvio e lógico que isto possa parecer, esquecemos dessa regra fundamental: somos diferentes porque somos resultados de processos diferentes. E quem é o pai que contribui para o processo de um aluno que nos desafia, incomoda ou que nos acomoda? Filhos são desafiados pelos pais no plano intelectual e isso será decisivo e decisório para o filho decidir se intelectualizar cada vez mais ou largar a escola. “Quero ser melhor que meu pai”, e lá vai o menino rumo à intelectualidade sem fim. “Nunca serei melhor que meu pai”, e lá vai o aluno para o fim do fundo do poço da escola, e se torna um rebelde, um estranho no ninho de casa e da escola. Claro que isso acontece subliminarmente, sem escândalo visível, no inconsciente. Porém, empiricamente, só posso falar com propriedade de um pai que conheci bem: o meu. Das lembranças de infância que carrego, uma delas me aparece sempre sensível: como meu pai me ensinou a amar as palavras. Ao final da tarde, depois de chegar da escola, eu sentava no colo de meu pai. Sentava, na verdade, em uma das pernas dele. Minhas pernas não tocavam o chão. Isso tudo acontecia na mesa da cozinha. Uma mesa vermelha e redonda. Sentado à cadeira, meu pai me faz lembrar, hoje, o Pensador de Rodin. Eu estava no colo do Pensador. A mesa limpa. Apenas nossos instrumentos de trabalho sobre a mesa limpa: um dicionário, caderno e um lápis. Eu e ele a postos para começar a brincadeira, vinha a primeira palavra. Meu pai escolhia uma palavra difícil, incomum, que ele conhecia, mas eu não. Então ele escrevia, com linda letra, a palavra no caderno. Escrevia a palavra na página branca e colocava um sinal de igual na frente. Então, calmamente, eu abria o dicionário e procurava o significado daquela palavra e escrevia no caderno. Não só aprendi uma infinidade de palavras, mas também aprendi a ter afinidade com as palavras. O que para muitas crianças poderia ser uma tortura, era, para mim, um prazer. Um jogo que apenas eu e ele sabíamos jogar e que ninguém mais poderia se intrometer. É verdade que minha mãe passava às vezes, para cuidar dos afazeres da cozinha, mas não interrompia a brincadeira, a atividade, a aula. Aula com amor. Amor de pai com cara de aula. Textos acontecem quando estão prontos dentro da gente. A maturidade de um texto é uma maturidade que vem do ser. Ser e escrever: somos resultados de nossa maturidade intelectual e de vida regada por palavras. Somos resultados de nossas provocações. Crescemos a cada estímulo proposto. Fermentamos nosso pensamento a cada palavra nova. A cada ideia nova, um novo pensamento, uma nova palavra. O músculo do braço só cresce quando levamos o braço para um passeio na academia. Só passamos a saber mais, a duvidar mais, a crer mais, quando somos provocados. Nem crer em tudo, nem duvidar de tudo. Mas sempre crescendo. Pais que falam palavrões criarão crianças que não falam sequer palavras. Pais que ensinam seus filhos a trabalhar com as palavras tornarão alunos em malabaristas de palavras, contorcionistas de pensamentos, mágicos de ideias. Pais melhores, alunos melhores.

Artigo publicado na revista Profissão Mestre de agosto de 2010.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Diz-se que o homem vale pelo que sabe, mas vale mais aquele que sabe como dizer aquilo que sabe."Edmundo de Amicis

SEJA BEM-VINDO!

"A disciplina é a parte mais importante do sucesso"Truman Capote

"As dificuldades devem ser usadas para superar obstáculos e vencer, não para desencorajar. O espiríto humano cresce mais forte no conflito".Willilam Channing

"O plano que não tem lugar para mudanças é um plano ruim"Syrus

"Não confunda jamais conhecimento com sabedoria. Um o ajuda a ganhar a vida; o outro a construir uma vida."Sandra Carey

"Não basta conquistar a sabedoria, é preciso usá-la."Cícero

"Quanto maior a dificuldade, tanto maior o mérito em superá-la."H.w.Beecher

SLIDES PEDAGOGIA PARA A VIDA, LINDO! CLIQUE.


http://yasminrs.com/pps/034-Pedagogia-para-a-Vida.html

"Por educação espiritual entendo a educação do coração. O desenvolvimento apropriado e completo da mente dá-se, portanto, só quando caminham no mesmo ritmo a educação das faculdades físicas e a educação das faculdades espirituais da criança. Elas constituem um todo indivisível. Segundo esta teoria, portanto, é erro grosseiro supor que podem ser desenvolvidas separadamente uma das outras." Mahatma Gandhi

Bulling

Você pode Tudo! Supere! (diminua ou pare a mídia do blog, para assistir o vídeo)

MULHER

À você mulher Bem aventurada a mulher que cuida do próprio perfil interior e exterior, porque a harmonia da pessoa faz mais bela a convivência humana. Bem aventurada a mulher que, ao lado do homem, exercita a própria insubstituível responsabilidade na família, na sociedade, na história e no universo inteiro. Bem aventurada a mulher chamada a transmitir e a guardar a vida de maneira humilde e grande. Bem aventurada quando nela e ao redor dela acolhe faz crescer e protege a vida. Bem aventurada a mulher que põe a inteligência, a sensibilidade e a cultura a serviço dela, onde ela venha a ser diminuída ou deturpada. Bem aventurada a mulher que se empenha em promover um mundo mais justo e mais humano. Bem aventurada a mulher que, em seu caminho, encontra Cristo: escuta-O, acolhe-O, segue-O, como tantas mulheres do evangelho, e se deixa iluminar por Ele na opção de vida. Bem aventurada a mulher que, dia após dia, com pequenos gestos, com palavras e atenções que nascem do coração, traça sendas de esperança para a humanidade. Autor: (Desconhecido)

UMA VITÓRIA!

15/12/2009 Câmara aprova a regulamentação da profissão de psicopedagogia A Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania aprovou há pouco o Projeto de Lei 3512/08, da deputada Raquel Teixeira (PSDB-GO), que regulamenta a atividade de psicopedagogia. Aprovada em caráter conclusivo, a proposta seguirá para análise do Senado. O relator, deputado Mauricio Quintella Lessa (PR-AL), advertiu que não é possível ao Legislativo ter iniciativa para criar o conselho da classe, como apontou a Comissão de Trabalho, de Administração e de Serviço Público. Ele votou pela constitucionalidade, juridicidade e boa técnica legislativa da proposta. Agência Câmara
Ocorreu um erro neste gadget